dois mil e quartoze abriu meus olhos e minha boca para um desabafo desconexo

Image

ilustração by Salty Rose

eu ando fragilizada e descontente com o raso acesso do significado das coisas. procuro as vezes por uma definição de uma palavra no dicionário e me decepciono com a descrição vaga feita apenas por uma pequena frase, porque eu sei que aquilo tem um sentido muito mais amplo e o valor da palavra é muito superior ao descrito e acho que isso se aplica como uma das mil explicações por eu estar me sentindo tão conturbada internamente.

mas esse ano já começou com um ar meio mistico e me dando socos de reflexões que em vários momentos do dia aleatoriamente me vejo sentindo prazer como se tivesse atingido uma espécie de satori e isso foi essencial para eu escrever isso aqui.

e a verdade é que nesses últimos anos eu vivi hesitando de todos os modos que essa palavra poderia ser empregada em uma frase, inclusive para postar alguma coisa aqui. seja por medo de não ser boa o bastante em algo, ainda ter muito para melhorar e diversas problematizações. mas depois de muita meditação, reflexões pessoais e trabalho mental com textos lidos e mais algumas coisas vistas/ouvidas/lidas em midias alheias (como um simples post que eu li esses dias no blog do conversacult mas que foi especial para mim, desmitificando o que as pessoas chamam de talento que eu somei com uma frase que eu ouvi em um drama coreano bobinho: ”miracle is another name for hard work”) eu cheguei a conclusão definitiva de por um fim nisso, nem que isso doa a principio, porque não tem coisa mais absurda do que eu deixar de fazer coisas que eu gosto, que eu queria fazer ou agir da maneira que sou levada primeiramente a agir por uma simples e insignificante barreira de insegurança que eu a partir de agora pego minha marreta e coloco ela no chão.

outra conclusão que cheguei foi que o computador realmente me tira o foco das minhas metas e que apesar de ter extraído muita coisa dele, vou administrar o tempo que me disponho a olhar essa tela brilhosa e aproveitar essa maré de oportunidades, movimento, liberdade e intuição que o ano do cavalo está prometendo como também pegar essa intensificação que júpiter está dando e usá-la da melhor forma possível. agora meu eu está disposto a expressar tudo que há dentro de mim e mostrar isso para o mundo.

bom, mesmo que isso não seja nem um porcento do passa dentro da minha mente e tudo está escrito de forma meio subliminar, eu paro por aqui para não continuar soando como ~~promessas de ano novo~~. eu vejo isso mais como inicio de um novo ciclo e esses parágrafos são apenas resultados dessa linha de pensamento.